Enem começa com prova digital a partir do ano que vem, e 100% até 2026

Wed, 03 Jul 2019 23:17:49 +0000 / 0 Comentários

BRASÍLIA e RIO- O Ministério da Educação ( MEC ) anunciou nesta quarta-feira que em 2020 vai aplicar o Exame Nacional do Ensino Médio ( Enem ) digitalmente para 50 mil candidatos, em 15 capitais do país. Os planos do MEC são de que em 2026 já não haja mais a prova impressa. Os estudantes que prestam a prova neste ano, no entanto, não serão afetados com nenhuma mudança.

No ano que vem, os candidatos poderão optar pela prova digital. Os 50 mil que participarão do piloto serão selecionados por ordem de inscrição. Eles farão a avaliação em dois domingos: 11 e 18 de outubro (inclusive a redação). Os participantes do Enem regular terão uma outra data: 1º e 8 de novembro de 2020.

O número de aplicações aumentará progressivamente. Em 2021, serão feitas duas edições do Enem digital. De 2022 a 2025, a ideia é ter quatro provas ao longo do ano, ainda no formato opcional. E, em 2026, extinguir de vez o papel. As regras de taxa de inscrição e correção da prova serão as mesmas para os dois públicos: do Enem digital e do tradicional.

Segundo o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Alexandre Lopes, a intenção é que se chegue a um modelo de agendamento da prova. Ele apresentou as novidades à imprensa ao lado do ministro da Educação, Abraham Wreintraub, e do diretor do Inep, Camilo Mussi.

— A ideia é fazer vários Enems ao longo do ano por agendamento — disse Lopes.

O custo da aplicação do Enem digital, para 15 mil candidatos em 2020, será de R$ 20 milhões — uma média de R$ 400 por participante. É superior ao valor atual, considerando dados apresentados na coletiva, de que o exame hoje demanda mais de R$ 500 milhões para atender a 5 milhões de inscritos, ou seja, cerca de R$ 100 por aluno. (Fonte: O Globo)