PF vai investigar origem de maconha apreendida em Juiz de Fora

Mon, 03 Jun 2019 17:13:25 +0000 / 0 Comentários

Droga estava escondida entre sacos de farelo de soja que tinham palavras escritas em espanhol e guarani.


A Polícia Rodoviária Federal (PRF) e a Polícia Militar (PM) informaram nesta segunda-feira (3) durante coletiva que a suspeita é de que as 2,2 toneladas de maconha apreendidas em uma carreta, na noite de sexta (31) em Juiz de Fora, tenham saído do Paraguai. Pela suspeita de que seja tráfico internacional de drogas, o caso foi encaminhado para Polícia Federal investigar. De acordo com o policial rodoviário federal, Leonardo Facio, o condutor da carreta, que já foi identificado, mas ainda não foi encontrado, é natural de Foz do Iguaçu (PR), local onde foi considerada a origem da viagem. A droga estava escondida entre sacos de farelo de soja que tinham palavras escritas em espanhol e guarani. A carga, que está na sede do batalhão da Polícia Militar, no Bairro Santa Terezinha, será encaminhada nesta segunda-feira para a sede da Polícia Federal em Juiz de Fora, junto com a carreta e os documentos do suspeito, para dar início ao inquérito. 

Rota de Tráfico

Segundo Facio, não é possível definir o destino final da droga, mas as evidências apontam que Juiz de Fora está inserida como rota para o tráfico de grandes quantidades de ilícitos. No dia 22 de maio, a Polícia Civil realizou a apreensão de 3 toneladas de maconha e 35 armas de fogo.

"A apreensão da Polícia Civil de três toneladas indica que Juiz de Fora é um entreposto, tanto de tráfico de armas, quanto de drogas. Caracteriza a cidade como um depósito. A gente são sabe se essa apreensão realizada pela PRF ia para Juiz de Fora ou para algum local próximo, ou se ia seguir para o Nordeste, mas o que tudo indica é que vem sendo utilizado como rota", afirmou o policial rodoviário federal.

Leonardo Facio ainda disse que o tráfico utiliza cidades que têm logística semelhante à de Juiz de Fora, como Uberlândia, Anápolis (GO) e Feira de Santana (BA), que têm ligações com capitais, estrutura de transportadoras e depósitos.

"A gente faz um trabalho visando coibir esse tipo de ilícito nas rodovias federais. Juiz de Fora é um ponto de convergência de rodovias importantes, como a BR-040, a proximidade muito grande com a Rodovia Rio-Bahia e a BR-267 fazendo a ligação entre as duas"

Apreensão da droga

A apreensão ocorreu na BR-267, no km 122, na altura do Bairro Igrejinha. Segundo a PRF, uma equipe de ronda estava no local fazendo fiscalização de rotina quando abordou a carreta.

De acordo com os policiais, o motorista apresentava nervosismo e não conseguia responder as perguntas. Ele entregou a carteira de motorista e o documento da carreta. Os policiais ordenaram que ele seguisse com a carreta até o posto da Polícia Rodoviária Federal, para que lá fosse realizada uma inspeção no veículo.

Durante o trajeto, o motorista parou o caminhão próximo ao aterro sanitário, no Bairro Dias Tavares, e correu em direção a uma mata. A PRF chamou a Polícia Militar para que localizassem o suspeito.

Equipes da PM e da Rondas Ostensivas Com Cães (Rocca) participaram da ação. Segundo os militares, a droga estava escondida no meio da carreta e foi também foi usado uma haste de ferro para tentar localizar a maconha entre os sacos de farelo.

A identificação de que existia maconha dentro da carga foi realizada pela cadela Maia de Lieudegard. Segundo o tenente-coronel Wallace Caetano, após a sinalização da cadela, os militares começaram a retirar os pacotes.